Social icons

10 dicas para 10 kgs

17 março 2019

Voar só com uma mala de cabine? Sim, é possível. Aliás, é até preferível. Intrigados? Eu também continuo céptica e até regressar da viagem não vos consigo assegurar ser, ou não, fazível. Eu acredito que sim. Estou até bastante certa que tudo vai correr bem. Depois de muito pesquisar, consegui reunir 10 dicas para conseguirmos montar uma mala de 10kgs, sem esquecer de nada. Curiosos?

Nos meus voos anteriores nunca tive necessidade de despachar bagagem. Os destinos eram todos europeus e as estadias nunca ultrapassavam os sete dias. Quando me vi a braços com uma viagem para a América do Sul, durante 20 dias, questionei seriamente a minha capacidade de ser sucinta ao ponto de só levar uma carry-on bag

Mas assumi o risco.

Vários factores pesaram na minha decisão de só levar uma mala de cabine. Despachar bagagem trazia custos avultados e como não vamos fazer só o voo de ida e volta — vamos fazer 6 voos ao todo — estar a despachar malas em todos os voos seria uma fortuna. Mas mais importante que isso: vamos ter o tempo muito contado e não temos propriamente três meses para conhecer os vários destinos a viagem. Acham mesmo que me ia dar ao luxo de ter que esperar pela mala de porão em todos os voos? E correr o risco de a ter extraviada? Não senhor. A opção de levar só uma mala de cabine traz-me conforto e sossego. Saber que a tenho sempre comigo e que não só poupo muitos euros como poupo também muitas horas é um descanso. 

O único senão é mesmo este: como é que vou fazer caber 20 dias de viagem em apenas 1 mala de 10kgs?


1. Escolher uma [boa] mala de cabine
Tem que ser leve (não há tara na pesagem da bagagem e o peso da mala vai entrar para o total dos 10kgs) e prática para transportar (de preferência com 4 rodas que vos facilita imenso o vosso trajecto até ao avião). A minha é perfeita para a ocasião já que é super leve (2,6kg) e parece ter direcção assistida, pois pode ser transportada em várias posições possíveis. É a soundbox da American Tourister, nas dimensões certas para levar na cabine (55 x 40 x 20 cm).

Ponderei comprar uma mochila de campista mas para além de não ser tão prática, não vou efectivamente acampar nem vou ter a necessidade de andar com a mala às costas durante as tours.


2. Levar uma mochila de mão
Na maioria das companhias aéreas que fazem voos de longo curso podemos ainda levar uma outra mala, de dimensões mais reduzidas, a ser colocada debaixo do assento da frente. Este outro volume é considerado bagagem pessoal e tanto pode ser representado pela vossa bolsa de mão, como pela pasta do portátil. Façam bom proveito desta oportunidade e usem uma mochila generosa (uma do género da eastpack, por exemplo) para que vos sirva também de arrumação de alguns artigos-chave. É nesta mala que devem colocar os itens mais importantes e tudo aquilo que querem ter mais à mão, como documentos, passaporte, passagens aéreas, telemóvel, livros, snacks, etc.


3. Gerir meteorologia
Antes de começarem a separar a roupa e artigos que vão querer levar, estudem a meteorologia primeiro. Uma dica um tanto ou quanto disparatada, bem sei, pelo quão óbvia é. Mas quantas vezes, no impulso, levamos imensas coisas que não fazem sentido e se tornam mesmo inúteis? Ainda que o tempo possa ser imprevisível, dois ou três dias antes de partirem vejam como está a meteorologia no vosso destino. A par desse planeamento, não se esqueçam sempre de levar algumas opções abrangentes, que sirvam tanto para os dias mais frios como para os dias mais quentes (um corta-chuva, uma blusa de meia manga ou uma malha fininha, mesmo para destinos quentes, são imprescindíveis).


4. Saber seleccionar
Talvez a dica mais importante. Se estamos limitados a uma mala de cabine e se o seu peso não pode exceder os 10 kgs, malta!, vamos ter que ser muito selectivos. Eu sou era aquele tipo de pessoa que levava sempre roupa para dois meses, mesmo que só me fosse ausentar por 5 dias. Hoje em dia consigo ser muito mais sucinta. E neste caso tenho mesmo que o ser. A pressão de querer andar sempre arranjadinha e a ideia de ficar imortalizada nas fotografias com conjuntos catitas é grande. E não precisamos de abdicar desse lado, basta que sejamos inteligentes. Escolher peças em tecidos leves, que não vinquem (muito), partes de baixo neutras e acessórios complementares, são alguns dos conselhos que vos posso dar. Limitem a vossa selecção ao máximo — o mesmo se aplica para produtos de higiene e cosmética.


5. Criar conjuntos
No seguimento da sugestão anterior, cabe-vos agora a tarefa de preparar os vários conjuntos. Esta é uma das partes que mais prazer me dá e podem ver aqui que já o faço há muito tempo. Dependendo dos dias que vão ter e dos sítios por onde vão passar, o ideal será levar [pelo menos] 3 partes de baixo (calças/jeans/leggings/saias/calções) 5 partes de cima (tops/camisolas/camisas), 1 peça única (macacão/vestido), 1 agasalho (uma camisola mais quente ou um casaco de malha) 1 casaco de rua (cabedal/ganga), 1 corta-chuva (daqueles fininhos que se dobram muito), 1 par de havaianas (mais que não seja para andar no hotel ou tomar banho em casas-de-banho partilhadas), 1 chapéu (ou gorro, dependendo do tempo). Se forem à praia é só levarem um fato de banho — ou no fundo adaptar a mala ao vosso destino. O truque mesmo é levar peças neutras que possam ser usadas entre si e que ganhem outra vida quando isso acontece. Podem usar a mesma peça de várias maneiras e depois joguem com os acessórios. Lenços de seda são sempre uma boa aposta (podem servir de cinto, de écharpe ou de fita para o cabelo e dar logo um pop de cor, para além de serem super fáceis de arrumar e nada pesados ou volumosos).


6. Enrolar em vez de dobrar
Depois de escolhidas as peças que querem levar, chega a hora de jogar um bocadinho de tetris — pelo menos é sempre isso que sinto quando tenho que preparar uma mala. Como vamos arrumar tudo dentro daquele pequeno espaço rectangular? Simples. Vamos maximizar! Li e vi vários testemunhos de que se a roupa for enrolada em vez de dobrada ganhamos imenso espaço na mala. Cuidado que o peso não fica mais leve! Mas pelo menos conseguem ficar com mais espaço. Podem ver este video aqui que me serviu de inspiração. Outra dica será aproveitarem o espaço dos sapatos extra que levam para colocar lá dentro meias ou caixas de acessórios e afins. Vamos fazer render todos os espacinhos livres, como um jogo de tetris


7. Criar uma [boa] necessaire
E para isso convém que tenham uma boa necessaire. Uma bolsa que também seja leve, compacta e preferencialmente que se desenrole, como esta aqui. Acreditem que fará toda a diferença na hora da sua utilização. Ter uma boa necessaire é ter a selecção exacta e perfeita de produtos para levar na viagem. Uma escova e um pente são essenciais. Uma prancha alisadora? Bem, vai depender. Precisam mesmo? Podem substituí-lo por uma escova térmica (e assim juntam 2 em 1, escova + prancha)? Sejam inteligentes. Não se esqueçam dos vossos produtos de higiene pessoal, como a escova de dentes, ou medicamentos (enquanto que é fácil comprar uma escova de dentes no estrangeiro, o mesmo pode não acontecer com alguns medicamentos). Lenços de papel e toalhitas são sempre um plus. Pinça e um espelho (cuidado que na mala de mão não podem levar tesoura de unhas nem objectos cortantes e afiados). Um copinho com cotonetes e algodões também dão sempre jeito.


8. Limitar os líquidos
Ainda dentro do tema da necessaire, é fundamental perceber que há uma limitação nos líquidos que viajam na mala de mão. Eles têm que ser transportados numa bolsa transparente, que não fuja muito aos limites das bolsas padrão que têm na segurança do aeroporto. Cada frasco de líquido ou gel não pode ser maior que 100ml e o total dos líquidos não deve exceder 1l. Parece complicado de gerir mas não é. Usem e abusem das amostras das perfumarias (por lá encontram de tudo, desde perfumes, a cremes, passando por bases e assim). Podem sempre adaptar os vossos produtos a recipientes mais pequenos (se ainda não tiverem podem facilmente encontrar em todo o lado, até na Primark) ou substituir os líquidos por não-líquidos. O desmaquilhante pode ser substituído por toalhitas, o champô e acondicionador podem ser sólidos (como estes da Lush), assim como o gel de banho que pode ser um sabonete, etc. Outra dica importante que vos posso dar é deixarem esta bolsa na vossa mochila de mão. Vão precisar de mostrar os líquidos na segurança e no raio-x, por isso evitam ter que abrir a mala de cabine e perder tempo.


9. Colocar mais peso na mochila
Bem, se a nossa preocupação é não exceder os 10kgs e aproveitando o facto de poderem levar um volume extra de mão, aproveitem esse espaço para colocar as coisas mais pesadas. Nota de insider: as companhias aéreas podem ver um problema na mala de cabine e exigir que seja medida e pesada mas [quase] nunca levantam objecções com a vossa mochila pessoal. É muito pouco provável que peçam para a pesar e por isso vocês podem libertar peso da mala maior colocando objectos mais pesados neste espaço extra. A necessaire costuma ser pesada por isso se couber na mochila, óptimo. Se levarem sapatos extra que não vos caibam na mala de cabine e couberem na mochila, perfeito. As máquinas fotográficas e todos objectos de valor, como vimos anteriormente, também devem ir lá. Se quiserem, é só depois arrumarem uma malinha de senhora mais pequena que vos sirva para andar a passear no destino. Mas o truque é rentabilizar ao máximo.


10. Vestir a roupa mais pesada
Botas, camisolonas e casacões. Especialmente se forem para um destino frio, é importante saberem que vão ter que levar a roupa mais pesada no corpo. Mesmo que isso implique um look todo à base de layers, o importante é chegarem ao destino com tudo aquilo que precisam, sem ter que despachar bagagem ou pagar pelo excesso de peso. Depois de passarem na segurança e na porta de embarque, é só libertarem-se do excesso de roupa que vos possa estar a deixar desconfortavelmente enchouriçados! 


Outras facilidades: existem no mercado uma série de artigos prontos para vos facilitar a tarefa de fazer a mala. Têm packing cubes (como estes aqui) que vos conseguem poupar imenso espaço e têm os packing vaccum bags (tipo estes), que são sacos fechados a vácuo, que deixam a roupa mega compactada. Em todos os casos, podem sempre tentar reproduzir o mesmo efeito sem gastar dinheiro. 

Em breve partilharei o passo-a-passo do making of da minha mala para a América do Sul. Querem?

1 comentário

  1. Mas que publicação de ouro!!! Gostei tanto de ler estas dicas, muito obrigada pela tua partilha!! Tê-la-ei sempre em conta! 😀
    Beijinhos,

    LYNE, IMPERIUM BLOG

    ResponderEliminar